sábado, 19 de abril de 2008

Uma história da sombra e um caderno escondido

Em 19 de abril de 2008, Gleyce escreveu:
Esta semana fazendo faxina nas minhas estantes... eis que lá estava há muito escondida... uma caixinha sua, com um belo caderno dentro! Quantas lembranças minha irmã... e então fiz estas fotos para você.





O primeiro sabor do qual se recorda foi uma cenoura.
O primeiro cheiro, um limão partido ao meio.
Recorda que chorou quando descobriu a distância.
E recorda que certa manhã ocorreu o descobrimento da sombra...

Gleyce é minha amiga-irmã. Onze anos de levezas e delicadezas, alternadas com lutas profundas e importantes. Mora em Curitiba. Gosta de flores amarelas, tem um gato malhado chamado Tux e desenha como ninguém. Gleyce me emociona, sempre me emocionou. Com seus gestos delicados, com suas mãos leves de desenhar-gravar-pintar...
Márcia Sousa

Um comentário:

miguel etges disse...

gostei muito da textura
lembrei dos desenhos de vitor hugo no texto de Huberman em Imanência Estética.

abraço